Login

controlo dor

DOR PÓS CIRÚRGICA

O Ano Mundial Contra a Dor assinalado pela IASP em 2017 tem como tema a Dor Pós Cirúrgica. 

Foram desenvolvidas várias ações dedicadas a esta questão com vista à sensibilização dos diferentes agentes públicos encorajando a adoção de políticas que aumentem a perceção desta temática.

Avaliar a qualidade do manejo da dor inclui avaliar estruturas e resultados [4], que refletem na maior parte das vezes os processos e estruturas. Esta ficha técnica é focada na descrição de resultados para tomada de decisões sobre cuidados individualizando os pacientes, que são utilizados para iniciativas na melhoria da qualidade como o aprimoramento programas de recuperação pós-operatória e, para pesquisa. Medidas de resultados têm sido utilizadas progressivamente mais pela contabilidade (indicadores de desempenho) que em alguns países é conectada com os incentivos financeiros para sistemas de saúde. 

DownloadptFlag

Crianças têm pelo menos a mesma quantidade de Dor Pós-Operatória que adultos, apesar não ter duração tão longa devido à rápida cicatrização. Crianças precisam de proteção, não podem advogar por si mesmas e freqüentemente não reclamam de dor, sendo assim, precisam de consideração especial na avaliação. Todos os profissionais de saúde devem saber como reconhecer, avaliar e tratar a dor em crianças  

DownloadptFlag

Quase sempre subdiagnosticada, a Dor Crônica Pós-Operatória Crônica (DCPO) é comum e atinge a qualidade de vida dos pacientes. A incidência total é estimada entre 20% e 50% em pacientes no pós-operatório, e aqueles com dor incapacitante severa são estimados entre 2 e 10%. 

DownloadptFlag

Observadores médicos há muito tempo apontam que quanto maior a expectativa do paciente para alívio da dor aguda de uma doença ou procedimento, mais provável dela acontecer [3]. Enquanto o campo médico do tratamento da dor aguda começa a se diferenciar do cuidado geral perioperatório, até os estudos iniciais enfatizam a importância de fatores de comportamento no controle da dor aguda. Isto continua até o presente momento. 

DownloadptFlag

As estratégias para o manejo da dor aguda evoluíram nos últimos 15 anos, tornaram-se cada vez mais multimodais, com a compreensão moderna dos benefícios da combinação de analgésicos com efeitos aditivos ou sinergéticos. Uma modalidade não-farmacológica , a acupuntura, é promissora para diminuir a Dor Pós-Operatória e diminuir os efeitos colaterais associados a anestésicos voláteis, opióides, e analgésicos adjuvantes 

DownloadptFlag

O alivio da dor depois de uma cirurgia é importante para o bem estar e conforto do paciente porque contribui para uma rápida e melhor recuperação. Confiança prévia em opióides e similares evoluíram para uma abordagem multimodal que inclui não-opióides e, quando possível técnicas de anestesia regional para melhorar a eficácia e reduzir os efeitos colaterais.

Existe evidência científica ampla acumulada para guiar a seleção dos medicamentos apropriados e estratégias conforme as necessidades de cada paciente e cada tipo de cirurgia. Esta evidência é baseada em três componentes estratégicos: analgesia multimodal, analgesia específica para cada procedimento,  reabilitação precoce depois da cirurgia.

DownloadptFlag

Alguns milhões de pacientes em todo o mundo transitam pelas Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) todos os anos. Destes, um terço são admitidos na UTI para cuidados Pós-Operatórios.

 A dor crônica após a UTI tem sido considerada uma medida de desfecho principal, uma vez que a dor afeta seriamente a qualidade de vida do paciente e pode interferir com a recuperação da capacidade funcional. 

DownloadptFlag

Uma definição prática de Dor Crônica Pós-Operatória (DCPO) foi proposta por Macrae e redefinida por Werner: dor persistente por mais de 3 meses após uma cirurgia (vários autores propuseram limites de duração entre 2 e 6 meses,  dor não presente antes da cirurgia ou que tem características diferentes ou com aumento de intensidade da dor pré-operatória, dor localizada no sítio cirúrgico ou área referida, exclusão de outras causas de dor f (exemplos: recorrência de câncer, infecção). 

DownloadptFlag

De acordo com os Centros Americanos de Controle de Doenças, 14,1 milhões de novos casos de câncer foram diagnosticados em 2012 ao redor do mundo. Em 2025, 19,3 milhões de novos casos de câncer – um aumento de 37% - serão diagnosticados a cada ano. Este aumento é relacionado ao aumento da população mundial como um todo e com o aumento da população idosa. Igualmente o número destes pacientes que passam por cirurgia é grande e aumenta continuamente  

DownloadptFlag

 
Décadas de pesquisa evidenciaram que a Dor Pós-Operatória aguda tem uma fisiopatologia distinta que reflete na sensibilização periférica e central assim como em fatores humorais que contribuem para a dor em repouso e durante o movimento. Isto pode diminuir a funcionalidade e atrasar a convalescência 

DownloadptFlag

O número de pacientes sujeitos a cirurgia recebendo opióides no pré-operatório aumentou devido: dor relacionada com o cancro,  dor crônica não relacionada com o cancro (por exemplo, devido a osteoartrose), recorrência de dor aguda (por exemplo, porfiria ou pancreatite), abuso de substâncias tratado com opióides de manutenção, uso ilícito e não tratado de substâncias (por exemplo, opióides), exposição a altas doses de opióides ou uso prolongado de opióides de alta potência após cirurgias ou traumatismos 

DownloadptFlag

Centenas de milhões de cirurgias são realizadas no mundo a cada ano. Existe uma variedade indo desde pequenos procedimentos em consultórios até cirurgias extensas em órgãos vitais de pacientes fragilizados. A geração anterior verificou uma importante mudança nas atitudes sobre controle de Dor Pós-Operatória – de uma resistência fatalista até uma confiança no controle e aprimoramento de processos fisiológicos e psicológicos [11], até mesmo quando a dor persiste para se tornar crônica em alguns pacientes [8]. 

DownloadptFlag

O número de idosos está aumentando rapidamente em nações desenvolvidas e em desenvolvimento. Idosos são submetidos a cirurgias com maior freqüência que grupos de pacientes mais novos. Ainda assim, por diversas razões, Dor Pós-Operatória em idosos geralmente não é reconhecida ou propriamente tratada. A sua incidência pode ser pouco notificada ou impropriamente avaliada por causa de erros conceituais e déficits educacionais dos profissionais de saúde, ou ainda, estes pacientes podem ter alterações cognitivas, concorrendo com sintomas idade-relativos ou não, ou manifestações atípicas de dor de processos fisiopatológicos.

DownloadptFlag

Mais de 300 milhões de cirurgias são realizadas no mundo a cada ano. Existe uma variedade, indo desde pequenos procedimentos em consultórios até cirurgias extensas em órgãos vitais de pacientes fragilizados. A Dor Pós-Operatória era tida como inevitável, ou algo a ser suportado. Na verdade, quase a metade dos pacientes internados observados na segunda metade do século 20 reportaram episódios de dor, de severa intensidade, no pós-operatório. Dor Pós-Operatória surgiu como tópico merecedor de estudo sistemático somente há 25 anos, como parte dos esforços da IASP. 

DownloadptFlag